Logo EPOP fundo transparente

Brasil avança em inovação, mas ainda enfrenta desafios estruturais

Brasil avança em inovação, mas ainda enfrenta desafios estruturais
Brasil avança em inovação, mas ainda enfrenta desafios estruturais

O Brasil deu um salto significativo no Índice Global de Inovação (IGI), subindo cinco posições em comparação com o ranking de 2022. Agora, o país ocupa a 49ª colocação entre 132 nações, conquistando o posto de líder da América Latina, uma posição anteriormente ocupada pelo Chile. Os dados, divulgados em 27 de setembro, destacam o avanço brasileiro após anos de crescimento contínuo no I

Em 2023, o Brasil não apenas ultrapassou o Chile, mas também rompeu uma sequência de 12 anos fora das 50 economias mais bem classificadas no IGI. O México, na 58ª posição, segue como a terceira economia mais inovadora da região. Dentro do grupo BRICS, o Brasil se posiciona em terceiro lugar, à frente da Rússia (51ª) e da África do Sul (59ª). A China e a Índia ocupam a 12ª e a 40ª posições, respectivamente.

Entretanto, a competitividade e a inovação são pilares essenciais para o desenvolvimento econômico e social de qualquer nação e o Brasil ainda enfrenta desafios estruturais significativos que podem comprometer seu crescimento sustentável e sua posição no mercado global. 

Isso ocorre porque a competitividade de um país está intrinsecamente ligada à sua capacidade de atrair investimentos estrangeiros e gerar empregos. “A competitividade estimula a melhoria da qualidade dos produtos e serviços oferecidos, bem como a eficiência produtiva”, ressalta o professor Antonio Carlos Marques Valente, Mestre em Ciências Humanas e Sociais pela Universidade Federal do ABC (UFABC) e professor do Centro Universitário Paulistana – UniPaulistana

Por outro lado, a inovação é um componente crucial para manter a competitividade empresarial. A criação ou melhoria de produtos, processos ou serviços permite que as empresas se diferenciem no mercado, atendendo às demandas dos consumidores de forma mais eficiente e atrativa. “Através da inovação, as empresas brasileiras podem superar a concorrência internacional e fortalecer sua posição no mercado global”, afirma o professor Valente.

No entanto, o Brasil enfrenta sérios desafios que limitam sua competitividade e capacidade de inovação. A infraestrutura deficiente, particularmente nos modais de transporte, encarece os custos de produção e dificulta a logística. Além disso, há deficiências na área de tecnologias de informação e comunicação que precisam ser resolvidas. A burocracia excessiva e a carga tributária elevada também impactam negativamente o ambiente de negócios, tornando-o menos favorável para o crescimento.

Outro ponto crítico é a deficiência educacional, que compromete a produtividade e a capacidade criativa dos cidadãos brasileiros. “A falta de investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia é uma questão preocupante. O Brasil ainda investe pouco nestas áreas em comparação com outros países”, destaca Valente.

De acordo com o relatório mais recente do Fórum Econômico Mundial, o Brasil caiu da 39ª para a 46ª posição no ranking de inovação. Entre os países do BRICS, o Brasil está à frente apenas da Rússia, que ocupa a 99ª posição.

Para superar esses obstáculos, o Brasil precisa adotar uma série de medidas estratégicas. Investir em infraestrutura, simplificar a burocracia e reduzir a carga tributária são passos essenciais para criar um ambiente de negócios mais favorável. Além disso, é fundamental estimular a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação por meio de políticas públicas e incentivos fiscais.

O professor Valente da UniPaulistana  também enfatiza a importância da educação: “A melhoria da educação e capacitação da mão de obra, assim como o estímulo à cultura empreendedora, são necessárias para garantir a competitividade e inovação no Brasil. Investir nas pessoas é fundamental para impulsionar a criatividade e o desenvolvimento de novas ideias.”

Países que alcançaram elevados níveis de desenvolvimento econômico, tecnológico e social fizeram significativos investimentos em educação, infraestrutura, ciência e tecnologia. Portanto, é imperativo que o Brasil estabeleça uma agenda de prioridades que conduza o país a uma rota de crescimento sustentável, elevando substancialmente sua capacidade de inovação e competitividade.

Enfrentando desafios como infraestrutura deficiente, burocracia excessiva e falta de investimentos em PD&I, o Brasil precisa adotar medidas para estimular a competitividade e a inovação. Para ele, somente assim o país poderá se destacar no mercado global e garantir um futuro próspero para sua economia e sociedade.

© 2024 EPOP copyright all right reserved.