Logo EPOP fundo transparente

Maioria das empresas de OT sofreram ataques em 2022

Maioria das empresas de OT sofreram ataques em 2022
Maioria das empresas de OT sofreram ataques em 2022

Em média, sete a cada dez (75%) das empresas de OT (Tecnologia Operacional) sofreram ao menos um ciberataque em 2022. A informação integra o “Estado da Tecnologia Operacional e Cibersegurança 2023”, levantamento realizado pela Fortinet. Segundo as companhias, os ataques mais frequentes foram: invasões de malware (56%), phishing (49%) e ransomware (32%).

O balanço também revelou que 63% das organizações de OT da América Latina e Caribe reportaram preocupação sobre o impacto do ransomware em ambientes, sendo que este foi o maior impacto no ano passado.

Entre os principais resultados, o estudo revelou que o alto número de dispositivos conectados aumentou a complexidade para as organizações de OT. Além disso, o levantamento demonstrou que, em média, 80% dos participantes reportaram ter mais de 100 dispositivos de OT habilitados para IP em seu ambiente – o que chama a atenção para o desafio enfrentado pelas equipes de segurança.

Ainda de acordo com os dados da Fortinet, os serviços de cibersegurança continuam a contribuir para o sucesso da maioria (76%) dos profissionais de OT. Aliás, na visão dos entrevistados, os recursos de segurança cibernética ajudam a melhorar a eficiência (67%) e a flexibilidade (68%).

Na perspectiva de Cristiano Oliveira, vice-presidente da Brasiline, empresa que desenvolve soluções corporativas em Tecnologia da Informação, o fato de que 75% das empresas de Tecnologia Operacional foram atacadas em 2022 é preocupante e destaca a necessidade urgente de fortalecer a segurança cibernética nesse setor.

“A transformação digital no segmento de OT pode ajudar a mitigar esse cenário [ataques a empresas de OT] ao incorporar práticas de cibersegurança desde a concepção dos sistemas”, afirma Oliveira. “Para tanto, é recomendado implementar o monitoramento proativo e adotar soluções avançadas de detecção e resposta a incidentes”, complementa.

Nesse sentido, segundo o vice-presidente da Brasiline, vale investir nessas ferramentas e estratégias a fim de promover a transformação digital:

  • Atualização de Infraestrutura – Adoção de tecnologias modernas, como IoT (Internet das Coisas), edge computing (computação de borda) e cloud computing (computação na nuvem), para melhorar a eficiência e a segurança;
  • Integração de segurança desde o Início – Incorporar a segurança cibernética desde a fase de design e desenvolvimento de sistemas;
  • Monitoramento avançado – Utilizar soluções de monitoramento contínuo para identificar e responder rapidamente a atividades suspeitas, como por exemplo o SOC (Security Operation Center);
  • Treinamento e conscientização – Educar funcionários sobre boas práticas de segurança cibernética;
  • Gestão de identidade e acesso – Implementar políticas de controle de acesso e autenticação robustas;
  • Soluções de segurança especializadas – Utilizar firewalls avançados, sistemas de detecção de intrusões e antivírus específicos para o setor.

“Vale a pena investir em estratégias e ferramentas que são essenciais para fortalecer a segurança das empresas de OT e proteger seus sistemas contra ameaças cibernéticas”, ressalta Oliveira.

Para mais informações, basta acessar: https://brasiline.com.br/

© 2024 EPOP copyright all right reserved.